Bem vindo ao seu portal lusófono de Energia Livre e Ciência Alternativa!
NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK - Curta e divulgue!
NOSSO CANAL NO YOUTUBE - Inscreva-se
SIGA-NOS NO TWEETER @EnergiaLivreBR
Entre em contato com o autor por e-mail
Participe da pesquisa de Energia Livre no grupo.
Para seguir o blog por e-mail, RSS ou Blogger role até o pé da página.
Na aba direita você encontra os links que abrirão as portas do universo da Energia Livre.
Boa viagem!!

sábado, 15 de agosto de 2015

O Economista está nú

Suposições sem base científica na teoria econômica estão a minar os esforços para resolver os problemas ambientais.

Os criadores da teoria econômica neoclássica do século 19 que agora serve como base para a coordenação das atividades no mercado global receberam o credito da transformação de seu campo em uma disciplina científica.

Mas o que não é amplamente conhecido é que esses economistas agora lendários , William Stanley Jevons, Léon Walras, Maria Edgeworth e Vilfredo Pareto desenvolveram suas teorias, adaptando as equações da física do século 19, que eventualmente se tornaram obsoletas.

Infelizmente, é claro que a economia neoclássica, também se tornou obsoleta. A teoria é baseada em suposições sem base científica que estão atrapalhando a implementação de soluções econômicas viáveis ​​para o aquecimento global e outros problemas ambientais ameaçadores.


A teoria física que os criadores da economia neoclássica usaram ​​como modelo foi concebido em resposta à incapacidade da física newtoniana de explicar os fenômenos da luz, calor e eletricidade. Em 1847, o físico alemão Hermann von Helmholtz formulou o principio da conservação da energia e postulou a existência de um campo de energia conservativo que preenche todo o espaço e unifica esses fenômenos.( Da Wikipedia:, aperfeiçoando o trabalho anterior de Joule, Sadi Carnot, Émile Clapeyron e Hermann von Helmholtz chegaram a conclusões similares às de Grove e publicaram suas teorias em seu livro "Über die Erhaltung der Kraft" ("Sobre a Conservação de Força", 1847). A aceitação moderna geral do princípio decorre dessa publicação).

Mais tarde, James Maxwell, Ludwig Boltzmann e outros físicos conceberam melhores explicações para o eletromagnetismo e termodinâmica, mas, entretanto, os economistas empestaram e alteraram as equações de Helmholtz.

A estratégia utilizada pelos economistas era tão simples como absurda, eles substituíram variáveis ​​econômicas pelas físicas. Utilidade (uma medida de bem-estar econômico) tomou o lugar de energia; a soma de utilidade e despesas substituiu energia potencial e cinética.

Uma série de matemáticos e físicos de renome disseram aos economistas que não havia absolutamente nenhuma base para fazer essas substituições. Mas os economistas ignoraram essas críticas e passaram a afirmar que tinham transformado seu campo de estudo em uma disciplina científica com rigor matemático.

Estranhamente, as origens da economia neoclássica na física de meados do século 19 foram esquecidas. Gerações subsequentes de economistas do mainstream aceitaram a alegação de que essa teoria é científica. Estes desenvolvimentos curiosos explicam por que as teorias matemáticas usadas por economistas se baseiam nas seguintes hipóteses não-científicas:


  • O sistema de mercado é um fluxo circular fechado entre produção e consumo, sem entradas ou saídas.
  • Os recursos naturais existem em um domínio que é separado e distinto de um sistema de mercado fechado, e o valor econômico desses recursos só pode ser determinada pela dinâmica que operam dentro deste sistema.
  • Os custos dos danos para o ambiente externo natural por atividades econômicas devem ser tratados como os custos que estão fora do sistema de mercado fechado ou como custos que não podem ser incluídos nos mecanismos de preços que operam dentro do sistema.
  • Os recursos externos da natureza são inesgotaveis, e aqueles que não são podem ser substituídos por outros meios ou por tecnologias que minimizam a utilização dos recursos não renováveis ​​ou que dependem de outros recursos.
  • Não há limites biofísicos para o crescimento dos sistemas do mercado.


Se não existisse a crise ambiental, o fato de que a teoria econômica neoclássica fornece uma base coerente para a gestão de atividades econômicas em sistemas de mercado poderia ser visto como uma justificativa suficiente para suas aplicações generalizadas.

Mas porque a crise existe, essa teoria não pode mais ser considerada como útil, mesmo em termos pragmáticos ou utilitaristas, pois não cumpre o que deve agora ser visto como um requisito fundamental de qualquer teoria econômica.

Até que ponto esta teoria permite que atividades econômicas seja coordenadas de forma ambientalmente responsável em escala mundial?. O fato de a economia neoclássica nem sequer reconhecer os custos dos problemas ambientais e os limites para o crescimento econômico, constitui um dos maiores obstáculos à luta contra as alterações climáticas e outras ameaças ao planeta. É imperativo que os economistas concebam novas teorias que levem todas as realidades do nosso sistema global em conta.

Fonte: Scientific American

SOBRE O AUTOR (S)
Robert Nadeau ensina ciência ambiental e políticas públicas da Universidade George Mason. Seu mais recente livro publicado é The Environmental Endgame (Rutgers University Press, 2006)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguir por Email

Seguidores