Bem vindo ao seu portal lusófono de Energia Livre e Ciência Alternativa!
NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK - Curta e divulgue!
NOSSO CANAL NO YOUTUBE - Inscreva-se
SIGA-NOS NO TWEETER @EnergiaLivreBR
Entre em contato com o autor por e-mail
Participe da pesquisa de Energia Livre no grupo.
Para seguir o blog por e-mail, RSS ou Blogger role até o pé da página.
Na aba direita você encontra os links que abrirão as portas do universo da Energia Livre.
Boa viagem!!

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Sobre a gravidade

Após diferenciarmos o moto-contínuo das máquinas OU [1] eletromagnéticas (aqui), e reportarmos a impressionante notícia sobre os motores gravitacionais brasileiros (aqui), resolvemos fazer algumas considerações sobre a gravidade.

O que se pode analizar com a mente aberta sobre a gravidade, é que, até hoje, os físicos não sabem o que de fato ela é!! Ou, pelo menos, há muitas controvérsias à repeito. A gravidade, tal como descrito na física de hoje, é a grosso modo, uma força de atração atuando à distância, mesmo através do vácuo, sem a mediação de qualquer material ou campo de força manipulável (como o eletromagnético), sendo postulada como uma propriedade inerente à matéria

Isaac Newton, poucos sabem, contentou-se apenas em descrever os efeitos da gravidade, sem afirmar nada sobre suas causas. Citando o próprio Newton:
"Eu não tenho sido capaz de descobrir a causa dessas propriedades da gravidade a partir dos fenômenos, e eu não formulo hipóteses. Porque qualquer coisa que não seja deduzida dos fenômenos deve ser chamada de hipótese; e as hipóteses, quer metafísicas ou físicas, ou com base em qualidades ocultas, ou mecânicas, não têm lugar na filosofia experimental. Nessa filosofia proposições particulares são inferidas dos fenômenos, e, posteriormente, proferida de uma forma generalizada por indução ..... é o suficiente que a gravidade realmente existe, e age de acordo com as leis que temos explicado, e serve para explicar todos os movimentos dos corpos celestes."

Na verdade, o conceito de que a atração gravitacional é uma propriedade inerente da matéria é especificamente negado pelo próprio Newton, a quem o conceito é, na maioria das vezes, erroneamente atribuído. Cerca de 14 anos depois de que seu trabalho sobre gravidade culminou, este tema é abordado por Newton em quatro cartas que ele enviou para o médico Bentley. Em sua segunda carta, datada de 17 de janeiro de 1692-3, diz ele, em resposta a outra carta de Bentley: "Você às vezes fala da gravidade como propriedade essencial e inerente à matéria. Não atribua essa noção a mim, pois a causa da gravidade é algo que eu não tenho a pretensão de saber, e, portanto, seria necessário mais tempo para analisar". Em sua terceira carta, datada de fevereiro 25,1692-3, ele exprime-se um pouco menos cautelosamente:
"É inconcebível que a matéria bruta inanimada, sem a mediação de outra coisa que não seja material, operar sobre e afetar outra matéria sem contato mútuo, como deve ser se a gravitação no sentido de Epicuro for essencial e inerente à ela. E esta é uma razão pela qual eu desejava que você não atribuísse a 'gravidade inata' a mim. Que a gravidade seja inata, inerente e essencial à matéria, de modo que um corpo possa agir sobre outro à distância, através do vácuo, sem a mediação de qualquer outra coisa, por e através do qual sua ação e força pode ser transmitida de um para outro, para mim é tão grande absurdo, que eu acredito que nenhum homem que tenha em matérias filosóficas uma faculdade competente de pensamento jamais pode seguir. A gravidade deve ser causada por um agente atuando constantemente de acordo com certas leis, mas se esse agente é material ou imaterial, deixei para a consideração de meus leitores."
No século XX, Albert Einstein, em sua teoria da relatividade, sugere que a gravidade é causada pela curvatura do espaço-tempo. Os físicos que perdoem minha ignorância e minha irreverência, mas esta figura didática que é normalmente utilizada para descrever a queda de um corpo na presença de um campo gravitacional (uma curvatura espaço-tempo), não faz o menor sentido! Se a gravidade é a curvatura do plano da figura, o que então puxa o corpo para baixo?? Tá bom, eu sei, isso é só uma representação em duas dimensões de uma realidade que se passa em quatro dimensões, eu sei, mas enfim, continua sem sentido para mim, hahaha . Agora falando sério, a matemática da relatividade pode ser coerente em si mesma, mas ainda não fornece um mecanismo que explique porque a gravidade funciona como funciona... Até hoje não há nenhuma explicação para a gravidade em termos de outras forças conhecidas, exceto pela introdução tardia dos hipotéticos grávitons, que remendam ainda mais o quadro da teoria quântica de campos. É incrível como o mainstream se contenta com tantas hipóteses fracas (para não dizer ridículas) e ignora outras tantas perfeitamente plausíveis, como as que exporei a você, leitor, se ainda estiver me acompanhando...

Existe uma outra hipótese, esta mais antiga e geralmente ignorada, a hipótese de Le Sage. Na hipótese de Le Sage, a gravidade não é uma força que puxa a partir do centro da terra, e sim uma força que empurra a partir do espaço circundante, vinda de todos os lados, uma espécie de pressão causada pelo choque de pequenas partículas, que ele chama de corpúsculos ultra-mundanos. No espaço vazio, este empurrão, vindo de todos os lados, se cancela e a força resultante é nula. A presença de corpos grandes como planetas, porém, faria uma “sombra”, e nesse caso, a força resultante não seria nula e o efeito é o corpo ser empurrado em direção ao planeta. O famoso físico do século XX, Richard Feynman, durante uma de suas palestras, também mostrou seu interesse nas teorias que utilizavam a hipótese de Le Sage, pois elas provêem um mecanismo para a gravidade que elimina o problema da "ação mágica à distância" da definição atual de atração das massas.



Embora tenha ficado conhecida associada a Le Sage partir do século XVIII, sua origem na verdade é mais antiga. Foi inicialmente proposta por Nicolas Fatio de Duillier, que, pasmem, era contemporâneo e amigo de Newton. De fato, Newton não foi incisivo em uma afirmação de que a gravidade era uma atração, considerando a hipótese de que pudesse ser um empurrão. Citando novamente Newton:
"Como essas atrações podem ser realizadas aqui eu não considero. O que eu chamo de atração pode ser causada por impulso, ou por outros meios desconhecidos para mim. Eu uso esta palavra aqui significando apenas, em geral, qualquer força pela qual os corpos tendem em direção ao outro, qualquer que seja a causa." [ênfase nossa]
Na página 2 do Principia, Newton escreveu que a gravidade pode ser uma força atrativa ou de impulso, como segue:
 "Uma força centrípeta pela qual os corpos são atraídos ou impelidos, ou de qualquer forma tendem, no sentido de um ponto a um centro. Deste tipo é a gravidade."[ênfase nossa]
A hipótese rendeu muitos trabalhos no passado, de nomes de peso como Crookes, Laplace, Thomson, Lorentz, Poincare, Darwin, entre outros. Em todas estas teorias, o aspecto de que a gravidade é um empurrão (em inglês, push) em vez de uma atração (em inglês, pull), foi mantido. Os corpúsculos ultra mundanos, foram, em alguns casos, substituídos por ondas longitudinais no éter ou por radiação eltromagnética (neste caso, todos concordavam que deveria ser de altíssima frequência, talvez maior ainda do que os limites conhecidos hoje em dia).

Alguns cientistas modernos ainda consideram a hipótese de Le Sage. Com o surgimento do conceito de energia ponto zero, muitos estão reconsiderando esta hipótese. Entre estes Xavier Borg, J.Kierein, H.Arp, J.Evans, Frans van Luteren, E.J.Aiton, V.V.Radzievski and I.I.Kagalnikova, S.V.Byers, Tom Van Flandern, V.Slabinski, M.R.Edwards, T.Jaakkola, K.E.Veselov, B.Mingst, P.Stowe, P.Adamut, , G.T.Gillies, C.S.Unnikrishnan, H.H.v.Borzeszkowski, H.J. Treder, M.Kokus, V.Buonomano, G.D.Hathaway, e um brasileiro, Roberto de Andrade Martins.

Ou seja, a idéia não é nova, estava na gênese da gravitação, e o gigante Newton foi também influenciada por ela. Mas e o moto-contínuo (ou os sistemas OU)? Será que é mesmo possível fazer um motor movido exclusivamente à gravidade? Mais uma vez, vamos ver as especulações de Newton a respeito... Ele chegou a propor uma série de experiências muito interessantes:
"Tente notar se o peso de um corpo pode ser alterado por calor ou frio, por dilatação ou condensação, choque, pulverização, a transferência entre vários locais ou várias alturas, ou pela colocação de um corpo quente e pesado sobre ele ou por baixo dele, ou por magnetismo, (...) se uma placa em pé ou deitada é mais pesada (..)"
Em seus primeiros cadernos sob o título "Quaestiones" Newton especula que a gravidade é causada pela descida de raios que atingem todos os corpos e os empurra para baixo:
"Tais raios passantes de gravidade poderiam ser interrompidos por reflexão ou refração (...) se os raios de gravidade pudessem ser interrompidos por reflexão ou refração, (...) assim um movimento contínuo poderia ser feito de uma dessas duas formas "[ênfase nossa]
Taí o pulo do gato. Grande Newton! Bloqueando a gravidade, tornando-a assimétrica, o campo deixaria de ser conservativo e um "moto-perpétuo" seria possível. É óbvio! Apesar de ter sido cético com tantas propostas de motores à gravidade, esta é única forma que visualizo de construir uma máquina OU [1], com COP infinito, movida à gravidade. Newton estava errado apenas nas palavras, pois em sua época o "moto-contínuo" ainda não havia sido jogado na fogueira junto com as bruxas da inquisição científica. Pelo menos não de forma definitiva e permanente. Mas o sistema que ele descreve é aberto e assimétrico, condições essenciais para uma máquina OU.

A idéia propagou-se pelos séculos e chegou a nosso maior ídolo, Nikola Tesla! Tesla é mais cuidadoso com as palavras. Citando:


"É possível, e até provável, que haverá, com o tempo, outros recursos de energia descobertos, dos quais não temos conhecimento agora. Podemos até encontrar formas de aplicar forças, tais como magnetismo ou gravidade para o acionamento de máquinas sem o uso de qualquer outro meio. Tais realizações, apesar de altamente improváveis não são impossíveis. Um exemplo transmite melhor uma idéia do que poderemos esperar atingir e que nunca poderemos alcançar. Imagine um disco de algum material perfeitamente homogêneo disposto de forma a girar em rolamentos sem atrito sobre um eixo horizontal acima do solo. Este disco, estando sob as condições acima e balanceado perfeitamente, iria descansar em qualquer posição. Agora, é possível que possamos aprender a fazer esse disco girar continuamente e executar trabalho pela força da gravidade, sem qualquer esforço de nossa parte, mas é logicamente impossível para o disco girar e fazer o trabalho sem qualquer força a partir do exterior. Se pudesse fazê-lo, seria o que é designada cientificamente como um "moto perpétuo", uma máquina que cria a sua própria força motriz. Para fazer com que o disco gire pela força da gravidade, temos apenas inventar um bloqueio contra esta força. Por exemplo uma tela que pudesse prevenir esta força de agir sobre uma metade do disco, assim a rotação deste último seria uma consequência. Pelo menos, não podemos negar essa possibilidade até que saibamos exatamente a natureza da força da gravidade. Suponha-se que esta força fosse devido a um movimento comparável ao de um fluxo de ar que passa a partir de cima em direção ao centro da Terra. O efeito de uma tal corrente em ambas as metades do disco seria igual, e o mesmo não iria rodar normalmente, mas se uma metade fosse protegida por uma placa detendo o movimento, então giraria".[ênfase nossa]
Grande Tesla! Ainda sucintamente resumiu a diferença entre um moto-contínuo e um sistema aberto OU [1]. Nikola Tesla, você era o cara!!

Xavier Borg do Blazelabs leva essa idéia muito a sério. Ele desenvolve extensivamente uma teoria que chama de EMRP (Eletromagnetic Radiation Pressure Push Gravity Theory), traduzindo, Teoria da Gravidade por Pressão de Radiação Eletromagnética. Fala também sobre seu Projeto Ixion, que, como podemos ver, usa exatamente a idéia de Newton, assimetrizando a gravidade, ou seja, bloqueando um lado da roda, que não sofreria ação da gravidade, o outro lado faria a roda girar.
"Seria isto bom demais para ser possível? Acho que não. O motor explora a energia a partir da natureza fundamental de existência, que é o próprio tecido do espaço tempo. Dois locais com diferentes relações de tempo por unidade de espaço criam um gradiente de energia e, assim, um potencial para realizar o trabalho. Vamos esperançosamente ser capazes de completar o projeto até o final de 2012 e estamos atualmente muito animados com os resultados dos testes preliminares que nós consideramos ser a nossa maior conquista. O trabalho de pesquisa e os trabalhos experimentais estão sendo feitos em paralelo, e durante os últimos anos, muitos planos tiveram de ser abandonados e arquivados, para serem substituídos por novas idéias e hardware. De qualquer forma, nós fizemos o nosso melhor para reutilizar a maioria dos materiais de uma fase para a outra. Nossos experimentos de validação foram um sucesso total. O objetivo de ser capaz de apresentar um motor de grande escala, e não apenas um experimento de validação simples é o de evitar uma idéia potencialmente boa ser menosprezada como um mero brinquedo."
A página do projeto data de 2010, ele alega que até então o projeto já teria custado 154.000 euros!! Felizmente ele alega resultados positivos, conseguindo um ganho de 30W. Sim, é um valor muito pequeno para ter aplicações práticas, mas seria um enorme avanço para a ciência e confirmaria sua teoria. Infelizmente, no entanto, Xavier mantêm certo mistério à respeito de seu Projeto Ixion. Nem um videozinho sequer!! Nenhuma informação de como ele foi capaz de bloquear a gravidade! Nenhuma atualização desde 2010! E o prazo prometido já fora extrapolado... Ponto negativo para ele. Faz parte do imenso número de inventores (ou seus financiadores capitalistas) que desejam mais o lucro do que realizar o sonho de Nikola Tesla, que era de ter energia grátis para todos.

E se for para aumentar o quadro de capitalistas buscando lucro, se a geringonça RAR funcionar, infelizmente Xavier Borg perderá para os tupiniquins em três ordens de magnitude (x1000), pelo menos no que tange à energia, nada posso afirmar em relação aos custos do RAR (exceto que não caberiam no meu bolso).

O sítio Blazelabs, no entanto, merece vários elogios, pois é uma verdadeira aula de física, não apenas no que tange à gravidade, mas também aborda a constituição da matéria (sua explanação da hipótese puramente ondulatória da matéria, abolindo a dualidade onda-partícula, é excelente), teoria do campo unificado, além de outros assuntos mais esotéricos como geometria sagrada. É leitura extremamente recomendada a todos os leitores do blog que queiram se aprofundar. Toda a explanação sobre a gravidade deste artigo teve como referência o sítio Blazelabs. Só tenho uma crítica ao sítio em si: não fornece dados bibliográficos, o que, infelizmente, torna a tarefa de checar as refrências um tanto árdua. De qualquer forma, obrigado Xavier pela "comida para o pensamento" (food for thought)

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
[1] Para os recém chegados a este blog, FE é abreviação de Free Energy e OU abreviação de Overunity (os dois termos são praticamente sinônimos).

24 comentários:

  1. Encontrei um probleminha nessa nova teoria. Se houvesse mesmo uma força exterior que mantivesse tudo no ''chão'', então, o Universo inteiro deveria estar em contração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se vc imaginar um ponto qualquer no espaço que repele tudo, terá expansão em todas as direções. Muito mais bem explicado que "matéria escura"

      Excluir
  2. Discordo de você... Isto não teria efeito sobre o universo como um todo, com espaço, mas sim sobre objetos com massa à "sombra" de outros objetos de grande massa. É a "sombra" que faz a resultante ter algum efeito. O espaço, por não ter densidade (mesmo que haja alguma massa em forma de plasma), é "transparente" a esta "força"

    ResponderExcluir
  3. E a teoria não é "nova", como vc pode ver a idéia é tão velha quanto a concepção newtoniana da gravidade

    ResponderExcluir
  4. Sr. Anônimo.
    É bom você não contestar muito o "Ponto Zero", pois ele se irrita e apaga tudo que você escreve.

    Aconteceu comigo. Deve ser algum tipo de "censura do bem", que afasta os malvados como eu do objetivo nobre de constituir energia livre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mais fácil provar a possibilidade de algo acontecer do que de algo não acontecer. Basta que aconteça uma vez na eternidade para que seja possível enquanto que para ser impossível teremos que ser eternos para constatar...

      Excluir
  5. Meu caro Giulianno, seja bem vindo de volta. Para quem não conhece o Giuliano é o maior representante dos céticos que eu já conheci.

    Sim, você tem razão, auto-controle não é uma das minhas qualidades e frequentemente me exalto. Resolvi apagar nossa discussão porque já estava no nível de ataques ad-hominem e sinceramente nem me lembro como começou. Acho que apaguei a discussão mais pelo que eu falei do que o contrário. Enfim, às vezes me exalto, tenho que aprender a respirar fundo antes de responder certos comentários. Outro dia um anônimo fez um comentário com um "tom" que dava a entender que eu não conhecia o experimento Michelson-Morley, o que seria um atestado de minha ignorância, e respondi também com exaltação, mas depois voltei e apaguei minha resposta e coloquei uma mais polida.

    Refleti muito depois da nossa discussão. O blog era ainda muito novo (e ainda é) e eu ainda não tinha um público formado (se é que já tenho) e nem tinha desenvolvido minimamente as idéias (e ainda falta muito para expô-las tão elaboradamente como eu gostaria). O seu ritmo de argumentação estava tão acelerado que estava me atrapalhando nas minhas tarefas do dia a dia, pois eu me sentia compelido a contra-argumentar. Acho que muita da contra-argumentação já foi dada em tantos artigos que já escrevi desde então.

    O que tamanha discussão me fez refletir era que de fato não montei este blog para ter esse tipo de discussão. Montei o blog para expor idéias que, acredito, todos os meus leitores sabem que são polêmicas, controversas, fora da ortodoxia científica, alternativas... Veja bem, um espaço para expor as idéias, que tão pouco espaço tem, já que não são aceitas pela ortodoxia científca, e não um espaço para travar uma batalha. A batalha já está sendo travada no Brasil e no mundo, por inventores que tentam trazer à tona suas tecnologias e são perseguidos e suprimidos, como também por cientistas sérios que esperam até suas aposentadorias para apresentar suas teorias que acabam não obtendo divulgação e caindo no ostracismo. Aqui não é o espaço para a batalha.

    Graças a você, hoje os comentários do blog são moderados e eu estou a um passo de não permitir mais comentários anônimos, só não o faço porque alguns leitores que até sei quem são e vem trazer um feedback positivo, insistem nessa prática (que eu até entendo).

    Sim, você tem razão, é uma "censura do bem". Como bom anarquista refleti e refleti mais ainda, sobre o que seria de verdade a democracia na internet. A internet é uma ferramenta maravilhosa porque dá a qualquer um seu espaço e o poder de falar o que quer. Mas, seria necessário deixar esse espaço aberto para que seja democrática? Bem, na minha casa eu falo o que eu quero e só entra quem for convidado, e se me importunar eu convido a se retirar... Pois aplico o mesmo princípio agora ao blog, porque me aborreci muito com nossa discussão e não quero mais me aborrecer.

    Como bom anarquista achei que eu estava sendo incoerente comigo mesmo sendo um ditador absolutista. Mas me perdoei desta incoerência, e vou te dizer porque. Enquanto eu nem nenhum outro cidadão tiver o poder de usar uma ferramenta de comunicação tão poderosa como a Rede Globo, enquanto eu nem nenhum outro cidadão não puder ter sua própria teoria e fundar sua própria escola de pensamento e poder autodenominar-se ciência sem a censura de um grupo autoritário que detém o poder sobre tudo o que se pretende denominar assim, enfim, enquanto esse e outros cantinhos esquecidos da net forem os únicos lugares onde temos voz, devemos sim ser absolutistas. Afinal a Rede Globo é absolutista na sua manipulação de informação e os jornais científicos "respeitados" tem sua censura revisada a pares para veicular apenas o que eles querem. Então que assim seja, há de haver alguma incoerência, e eu agora convivo em paz com ela.

    ResponderExcluir
  6. Mas uma coisa nessa história toda me intriga. Como eu disse, esse blog é apenas um cantinho da net... Se somarmos todos os estudantes de física e engenharia de todo o Brasil, a audiência desse blog não chega a nem um vigésimo deste número de pessoas... E todos que param neste porto sabem que estão sendo "fora da lei" (ou ao menos espero que saibam, espero que isto esteja claro nos textos). Então porque você se preocupa tanto comigo? Porque acha tão importante assim atacar minhas idéias? Porque não escreve a respeito do non-sense do "moto-perpétuo" em seu próprio blog e me deixa em paz? Eu nunca deixei um comentário sequer no seu blog criticando a sua visão cética a respeito de nada... Me parece que você se sente na obrigação de ser o "inquisitor" e não quer deixar este "bruxo" sair impune de seus "crimes"...

    Enfim, só me questiono isso. De resto, não estou disposto a travar longas e cansativas discussões com você nem com ninguém, e vou sim exercer meu poder de censura no meu espaço.

    E se a energia livre existe ou não, o tempo irá dizer. Você tem séculos de passado a seu favor, eu tenho séculos de futuro incerto em que ao menos não podemos saber que avanços o homem irá conseguir. Quando o homem quis voar, a reação foi a mesma. Pesquise a história do irmãos Wright nos EUA. Pesquise o que os cientistas diziam quando alguém quis romper a barreira do som. O tempo dirá amigo, o tempo dirá... E eu prevejo que o desfecho desta história está a menos de cinquenta anos de agora. Eu espero que você ainda esteja vivo para assistir, não sei quantos anos tem mas deduzo que é mais velho que eu... Eu tenho quase certeza que esta revolução vai acontecer, e que eu estarei aqui pra ver...

    Para terminar, porque não lê o livro que meu amigo Allain Coetmeur indicou?

    Que Deus te ilumine, que tenha um 2014 com paz e amor no coração. Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Acredito, Ponto Zero, que você compreendeu minha ironia quando usei a expressão "censura do bem". Tentei explicitar o maniqueísmo que inunda o movimento Free-Energy. Ou está conosco, ou está contra nós. É uma espécie de fascismo (o lado pragmático de um governo maniqueísta).

    O fato é que você, como anarquista, não pode usar da censura. Anarquia e absolutismo são absurdamente antagônicos em TODOS seus aspectos, incluindo censura. Seus argumentos para se sentir bem com isso são, digamos, pífios, pois recorrem aos erros dos outros para cometer os seus. Você simplesmente deletou horas que eu dediquei à pesquisa e edição de meus comentários. Isso me entristeceu, pois não lhe ofendi pessoalmente em momento algum e mesmo assim perdi (quase) tudo. Eu queria ter aqueles textos pra mim... paciência. Resignemo-nos. Mas ainda assim, acho que fizeste errado. Se pensas em não permitir comentários, ou pensas em moderá-los, sugiro um post de regras de boa conduta.

    A internet é tudo, menos um amontoado de lugares privados. Seu blog não é sua casa. Isso é um consenso filosófico. Você colocou as coisas na calçada, para todos verem, tocarem; aproveitando a analogia. Meus comentários são meus; você não pode sentir-se dono deles, como no meu blog eu não me sinto dono dos comentários alheios, que jamais apago. Escrevo isso como alguma tentativa de lhe fazer pensar e não como confronto. Entendo tua posição e percebo um certo amadurecimento em suas palavras. Não procuro confronto; procuro entendimento.

    Quando você usa exemplos da invenção do avião ou outras que deram certo apesar da ampla negação, estás sendo muito, muito parcial. Para uma ou duas que deram certo, há milhões que deram errado. Isso se chama "cherry picking" e não desenvolve num argumento válido. É como citar Galileu: "queriam queimá-lo, bla bla". Bueno, e alguém fala da eletrodinâmica de Weber? Ou dos milhares que "desmentiram" Einstein? Estavam todos errados, mesmo alegando que "Galileu estava certo, logo estarei também". Compreenda isso e compreenderá parte do processo científico, que vejo, você parece desconhecer e aplicar estereótipos.

    Como eu escrevi, eu não digo que não há esperança para energia livre, mas sim que não existe NENHUMA razão prática ou teórica para sonhar com ela. O que há são sonhadores, com pouquíssimo conhecimento de física, que insistem com máquinas que não funcionam ou com "teorias" mirabolantes e insustentáveis, como a do Turtur e seu motorzinho eletrostático (que aliás, respondi no blog "Ilustração Natalense": http://ilustranatal.blogspot.com.br/2011/05/magnetic-car-carro-magnetico-free.html) .

    Sobre o livro de seu amigo: apenas o lerei se a fusão a frio for comprovada. Senão acho que é perda de tempo e uma potencial coleção de causos para crentes acreditarem. É como um livro sobre "provas de Jesus", que só um crente dará automático crédito. Livros como este eu já li e costumam ser um apanhado de anedotas conspiracionistas. Como já te falei várias vezes, não há virtude argumentativa alguma em alegar conspiração. Quando apelamos ao secreto, ao invisível ao objeto de crença ideológica, estamos trilhando péssima estrada. Assim é com terapias alternativas e tantas outras ideologias que não se sustentam em evidências: o caminho mental mais imediato é apelar ao Grande Inimigo Invisível.

    "Porque você se preocupa tanto comigo?"
    Me preocupo com a ignorância que seu blog propaga.

    "Porque acha tão importante assim atacar minhas idéias?"
    Porque acho importante que as pessoas conheçam física, epistemologia, pensamento crítico. Acho importante que as pessoas compreendam os caminhos psicológicos que suas mentes percorrem ao adotar ideias esdrúxulas, mas adoráveis, como essas de energia livre.

    ResponderExcluir
  8. "Porque não escreve a respeito do non-sense do "moto-perpétuo" em seu próprio blog e me deixa em paz?"
    Estou escrevendo! :-)
    O que significa te deixar em paz? Nunca te forcei a nada, nunca te censurei. Usei o espírito científico da crítica, de forma que possamos, ambos, evoluir, crescer, aprender. Mas eu compreenderei se quiser continuar habitando sua ilha dogmática.

    "Eu nunca deixei um comentário sequer no seu blog criticando a sua visão cética a respeito de nada..."
    Pois seria muito bem vindo. Eu jamais te censuraria. Só teme o contraditório quem sente ter algo a perder com isso. No caso, algum favor psicológico.

    "Me parece que você se sente na obrigação de ser o "inquisitor""
    Um inquisitor é aquele que censura, queima, julga, baseado em DOGMAS e em algum tipo de moral arbitrária, igualmente DOGMÁTICA.

    "e não quer deixar este "bruxo" sair impune de seus "crimes"..."]
    Não há crime algum. Apenas considero chato isso de propagar falsos conceitos. De propagar ideologias, de fazer mais pessoas acreditarem em algo tão improvável quanto, digamos, uma religião ou uma divindade. É a mesma natureza epistemológica.

    Você pode se irritar comigo ou pode me considerar um amigo... Alguém que se propõe a aprender, mas também a ensinar, às vezes.

    Abraço e feliz ano novo.
    Giuliano

    ResponderExcluir
  9. Os comentários acima serão respondidos em breve. O autor dos comentários acima já tem seus comentários perdidos consigo, para que possa fazer com eles o que bem entender.

    ResponderExcluir
  10. Gosto de ler teorias dissidentes, independente de estarem certas ou erradas. Mas a teoria gravitacional einsteiana não é carente de evidência, o senhor conheceria um experimento denominado Gravity Probe B, da Nasa, que demonstra as previsões do físico alemão? Neste experimento, um objeto contendo giroscópios seriam enviados ao espaço cósmico, se eles se inclinassem, estaria evidenciada a curvatura no espaço-tempo, o que foi demonstrado.

    ResponderExcluir
  11. Vc já ouviu falar da seguinte experiência: Um cientista treinou uma aranha para andar quando ele ordenasse. A seguir arrancou uma de suas patinhas e disse Anda aranha. E ela nadou. Arrancou outra patinha e repetiu a ordem a aranha continuou obedecendo, até que arrancou a última patinha e ao repetir a ordem e vendo a aranha imóvel pode concluir: ARANHA SEM PERNA FICA SURDA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkk conhecia sim, mas não com experiência, sim como piada :)

      Excluir
  12. Não sei se entendi essa ideia da gravidade como um empurrão... se estamos sob a sombra da terra, porque sofremos influencia da lua? pq a interação é maior quanto mais massa e não o tamanho do corpo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1) Sofremos influência da lua pois ela faz ainda mais sombra e diminui o empurrão, desta forma experimentamos gravidade menor conforme as fases da lua. Enfim, dá na mesma...
      2) As ondas E.L. atravessam os corpos, quanto mais denso o corpo (maior massa), maior a força resultante da sombra.

      Excluir
    2. Ponto Zero, de onde você tirou isso? A gravidade NÃO MUDA conforme as fases da Lua! Que horror!

      O que são ondas E.L. ?

      Excluir
    3. ok. acho que dessa vez falei besteira. E ondas E.L quiz dizer EM...

      Excluir
    4. A gravidade não é uma força que vem do centro da Terra. É a soma vetorial das iterações de todas as partículas envolvidas ( cada átomo do planeta) então um escudo não faz sentido. Se matéria tivesse essa.propriedade, camadas externas da Terra cancelariam a gravidade das internas e não haveria atração gravitacional. Como sempre digo: falta muito conhecimento básico de Física.

      Excluir
    5. Este argumento não faz sentido no contexto desta teoria, se a gravidade fosse uma pressão externa isso nada teria a ver com as camadas internas. Enfim, não quero mais discutir este assunto...

      Me incomoda a eterna afirmação de que me falta conhecimento de física. Não sou Phd, mas tenho algum conhecimento sim. Isto não me impede de falar a respeito de teorias alternativas.

      Excluir
  13. Anônimo, você não entendeu porque não faz sentido. Não tem como entender.

    Não existe isso de "sombra" gravitacional. As influências gravitacionais simplesmente se somam, não interessa a conformação.

    A gravidade é proporcional à massa; é ela quem distorce o espaço-tempo e causa a impressão de puxar. Isto conforme a Relatividade Geral.

    ResponderExcluir
  14. COMENTÁRIOS NESTE ARTIGO ESTÃO ENCERRADOS. (não serão aprovados novos comentários)

    Gostaria de dizer que não quero ficar defendendo esta teoria. Minha intenção foi mais apresentar uma curiosidade histórica e epistemológica, e não pretendo desenvolver a teoria em detalhes, não é este meu foco. Acredito que há cientistas fazendo, quem quiser que se aprofunde a respeito.

    Infelizmente esta postagem se tornou uma das mais populares devido ao excesso de comentários, inclusive a discussão com o Gaspa que ficou interrompida e inacabada está inapropriadamente neste artigo (pode ser que eu a retome no dia que tiver muita paciência e mais nada para postar), e não acho que seja o lugar correto para ela estar.

    Quem quiser criticar esta teoria se dê ao trabalho de fazê-lo em outro lugar.

    ResponderExcluir
  15. Pensando bem, existe um componente rotacional na gravidade. Ao girar qualquer corpo você cria uma força centrifuga e outra centrípeta. A força centrífuga empurra e força centrípeta pucha. Esta força que pucha, seria a gravidade. Notamos que quase todas as partículas e sub-partículas tem rotação. No universo tudo esta em movimento. Os menores componentes da matéria tem um spin (rotação) e suas velocidades são extremas. Em um frio extremo eles perdem velocidade e podem até flutuar. Uma estrela de neutrons, um pulsar, magnetáris, etc. Têm uma grande gravidade porque giram a velocidades maiores. Veja detalhes no blog:"Olhando o Universo".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gravidade só depende da MASSA. A rotação não cria gravidade! Como eu sempre digo e repito: O conhecimento em física por aqui é muito, mas muito baixo. Alberto atestou total ignorância no assunto. E é exatamente essa ignorância não detectada que gera idéias sem sentido, como os moto-perpétuos. Vamos nos vacinar e aprender física?

      Excluir

Seguir por Email

Seguidores