Bem vindo ao seu portal lusófono de Energia Livre e Ciência Alternativa!
NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK - Curta e divulgue!
NOSSO CANAL NO YOUTUBE - Inscreva-se
SIGA-NOS NO TWEETER @EnergiaLivreBR
Entre em contato com o autor por e-mail
Participe da pesquisa de Energia Livre no grupo.
Para seguir o blog por e-mail, RSS ou Blogger role até o pé da página.
Na aba direita você encontra os links que abrirão as portas do universo da Energia Livre.
Boa viagem!!

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

(Videos) A História das Coisas, Quem Matou o Carro Elétrico, a Permacultura e o Paradigma da Abundância

Falamos aqui sobre a revolução científica que irá nos fornecer energia abundante para uma nova era, que chamamos de Paradigma da Abundância, baseado no pensamento de Buckminster Fuller. Ainda não tivemos a oportunidade de nos aprofundar nesse conceito, que merece maiores explicações, mas nosso foco principal sempre foi a questão energética, visto que ela desempenha um papel importantíssimo no ciclo de qualquer produto. Até para se reciclar um produto e reutilizar sua matéria prima gasta-se energia. E pode-se dizer a energia é responsável por uma parcela significativa da depredação dos recursos naturais e a poluição. De fato, a maior parte, mas não a totalidade.

Mas nem tudo se resume a obter quantidades infinitas de energia sem a queima de combustível. Olhando profundamente para a questão termodinâmica, vemos que o paradigma da escassez, que impede o salto evolutivo da humanidade é, antes de tudo, político e científico.


O paradigma é científico na medida que, considerando o destino fatal da morte entrópica do sol, os humanos aceleram sua própria morte desenvolvendo sua tecnologia e sua sociedade sobre atividades extremamente entrópicas, e o equilíbrio, a harmonia natural foi quebrada desde a revolução industrial. Isto não quer dizer que a única forma de termos algum conforto e algumas facilidades que a tecnologia nos proporciona seja voltar a viver como os índios ou como se vivia na idade média. Ao ignorar a existência da negentropia ou sintropia, o princípio auto-regenerativo 100% eficiente do universo, nas palavras de Bucky Fuller, ao não incorporar a sinergética fulleriana no design de produtos e na administração de recursos naturais, a ciência e a tecnologia apenas fazem criar caos e destruição. Ao ignorar a abundância de energia limpa e gratuita do ponto zero (ou do campo etérico, orgonótico ou qualquer nome que se dê) poluímos o ar, o mar, geramos calor (poluição térmica)... Mas poderia ser diferente, poderíamos ter uma tecnologia não-entrópica ou até negentrópica, poderíamos administrar conscientemente os recursos da nossa espaçonave terra e ainda ter conforto suficiente para viver bem, com todas as facilidades que temos hoje.

O paradigma é político, à medida que o lucro ilusório baseado na exploração da Natureza e do próprio ser humano pelo ser humano, tem sido a força motriz que impulsiona toda esta "evolução" científica e tecnológica. Uma busca desenfreada de um lucro baseado em uma ciência econômica completamente irreal, desconectada da fonte de todas as riquezas (a Natureza), que ignora que a verdadeira riqueza são os recursos naturais e a própria vida. Uma ciência econômica que ignora que é impossível crescimento infinito do consumo em um ambiente finito, a espaçonave terra. Uma ciência econômica que não mede seu sucesso baseada no bem estar geral,  visto que 1% da população detêm 45% das riquezas e bilhões vivem na miséria. Mas, acima de tudo, uma ciência econômica, um sistema de produção que se alimenta e se beneficia da escassez. Quanto mais escasso é uma matéria prima, mais lucrativa é a sua exploração, não importa o impacto ambiental. O documentário abaixo (com legendas) nos prova isso. A tecnologia do carro elétrico é tão antiga quanto a do carro a combustível, mas obrigar o consumidor a comprar combustível, não importa quão entrópica e poluente seja esta atividade, é mais lucrativo.



No início, isso se deu porque encontrou-se reservas enormes de petróleo no Oriente Médio, logo o petróleo era abundante, e portanto, barato (embora sempre se soube se tratar de um recurso não-renovável, ou seja, finito). Mas os árabes perceberam que tinham o controle na mão, e fecharam a torneira. Desde então, guerras tem sido travadas por petróleo, mas guerra também é ainda mais lucrativa. Não apenas por petróleo, mas por qualquer recurso escasso. As águas estão poluídas e as mudanças climáticas também afetam seu ciclo. Está previsto que se tornem escassas em um futuro muito próximo. Os poderes constituídos estão preocupados com isso, visando o bem estar e a sobrevivência da população? Nem um pouco. Os governos estão tratando de privatizar as reservas de água e as corporações correm para comprá-las, garantindo que a escassez de um recurso tão essencial à vida seja garantia de lucros cada vez mais exorbitantes.

O paradigma da escassez vem, desde os tempos imemoriais, servindo de motivo para que os humanos matem por território e recursos, escravizem uns aos outros. Mas tudo isso, com o conhecimento que temos hoje, está obsoleto. Mesmo com 7 bilhões de habitantes, há comida suficiente para alimentar a todos, há água suficiente para todos, há terra suficiente para abrigar a todos. O que não há é o interesse político de cuidar da vida. O ser humano ainda não aprendeu a cuidar nem mesmo de sua própria espécie, o que dizer então da biodiversidade do planeta...

Esclareceremos agora melhor o conceito de abundância. Ao se falar em abundância, muitos ambientalistas pensam que os ativistas da Free Energy estão do lado oposto deles. Mas não é bem assim. Alguns ambientalistas mais radicais acham que a única forma de se viver em harmonia com a natureza é abandonando completamente a sociedade moderna e suas facilidades industriais. Bucky Fuller já sabia que o problema era político e que a solução não passava por uma regressão a era pré-industrial:

"Se nós despejássemos toda a maquinaria e o conhecimento que temos no oceano, dentro de seis meses a humanidade morreria. Se despejássemos todos os políticos de todo o mundo no oceano tudo iria correr muito bem."
Não há como voltar atrás, não há como abandonar o conhecimento e a tecnologia. Mas há como se aprender com os erros. No início da era pós-revolução-industrial não havia preocupação com os recursos naturais pois os mesmos eram "abundantes". O crescimento exponencial do consumo e a poluição é que chamou a atenção para o estrago que estávamos fazendo. Quando falamos em paradigma da abundância, não estamos querendo regressar ao estado de "ignorância irresponsável" do início do século XX.

A produção infinita de energia limpa causaria um impacto positivo enorme, diminuindo consideravelmente a poluição do ar e das águas. A revolução científica que virá junto com essa tecnologia nos trará, ao longo dos séculos que irão se seguir, uma compreensão mais profunda do que é a matéria, possibilitando a transmutação dos elementos e a síntese de novas matérias primas a partir de quaisquer elementos.

Ainda não chegamos nem perto deste ponto, no entanto. Enquanto isso, é preciso cuidar de todas as matérias primas, redesenhando todos os processos industriais, se queremos cuidar do planeta. Buckminster Fuller foi o primeiro a pensar nos impactos ambientais e na eficiência energética do ciclo de vida completo de um produto. E pensar na eficiência energética máxima possível, projetar cada produto buscando isso, ao longo de todo o seu ciclo de vida, é sinergética, é caminho para a Free Energy, para a abundância, é o primeiro passo, pois eliminaria o desperdício e a poluição. A série de pequenos vídeos intitulada "A história das Coisas" é excelente para conscientizar as pessoas da questão, para que, através do consumo consciente e do ativismo político, possam pressionar os poderes constituídos para que cuidemos do planeta e da vida humana, aterando os processos industriais e o ciclo de vida dos produtos, acabando com a obsolescência programada e perceptiva, os resíduos tóxicos e a externalização de custos.



Além do consumo consciente pela sociedade urbana, é preciso mudar a lógica de produção do campo, de produção de alimentos, assim como a dicotomia campo-cidade. Nesse ponto, a Permacultura é o caminho. A Permacultura nada mais é do que a aplicação da sinergética à vida no campo, às comunidades auto-sustentáveis. Os permacultores são fullerianos, emboram não saibam disso, não falem à respeito ou não se rotulem assim. A permacultura é uma revolução silenciosa que vem acontecendo e que é uma grande esperança para a espécie humana e a Natureza. Recentemente saiu uma reportagem na folha sobre o Ecocentro IPEC, abaixo o vídeo da mesma:



Guiar os passos da humanidade seguindo a ética da Permacultura seria um grande avanço. Produzir localmente o que será consumido localmente. Tratar localmente cada dejeto. Cada atividade humana deve tomar a responsabilidade por seus dejetos.

Planejar a sociedade segundo estes princípios exige mudanças de valores. O primeiro é se re-avaliar o que é essencial e o que é supérfluo. A indústria e o mercado de bens de consumo não pode ser movida por um lucro desconectado do meio ambiente, desconectada de seus dejetos e da extração de sua matéria prima, desconectado da geração de bem-estar social.

Redesenhar nosso campo em eco-vilas, nossas cidades em eco-cidades, seria um grande passo rumo a sinergética natural. Distribuir a população, pois há muita terra livre e muita concentração de população nos litorais. Nas cidades grandes é inevitável que haja problemas. A distribuição populacional minimizaria estes problemas, mas seria necessário levar o desenvolvimento ao interior, para que as pessoas vissem vantagem em sair das cidades. Pequenas eco-cidades planejadas, com produção comercial também planejada visando a sustentabilidade, produção local de alimentos, saúde e educação. Isso vagaria espaço nas cidades grandes para que pudessem ser re-planejadas, com mais áreas plantadas, produção local de alimentos e tratamento local de dejetos, mais espaços públicos para as pessoas, menos carros, mais ciclovias e transporte público eficiente e planejado.

Enfim, é um longo caminho... Será que a humanidade vai acordar para a necessidade de percorrê-lo antes que seja tarde demais?

5 comentários:

  1. Será que você por acaso não possui o projeto, a ''receita de bolo'', do bedini motor? Sei apenas que o motor envolve bobinas e imãs interagindo para produzir a eletricidade, que supostamente vêm do éter.

    ResponderExcluir
  2. O projeto receita de bolo do Bedini Motor, se você fala inglês, é bem simples de obter. Só entrar no grupo deles. Se sua dificuldade é o inglês ou a eletrônica, posso ajudar. Acredito que entendo o funcionamento dele e sei o que ele faz, mas infelizmente ainda não tive tempo nem dinheiro para replicar um. Com certeza a primeira e mais fácil "prova de conceito" que pode se obter de FE na prática, eu acredito. Recomendo se você está realmente interessado.

    ResponderExcluir
  3. Sábias palavras meu amigo, pena serem ainda utópicas nos dias atuais, infelizmente o ser humano está irremediavelmente focado em seu próprio umbigo, seria necessário um cataclismo de proporção planetária para que a sociedade humana abdicasse do "status quo" e mudasse o modo "viral" de como ela interage com o meio ambiente...
    Penso que se dentre os escombros saíssem vivos um par de "políticos" , "dono de corporação" , "dono de emissora de TV" e "bispo evangélico poderoso" dentro de 100 anos no máximo estaríamos trilhando os mesmos caminhos de agora e cometendo as mesmas sandices...
    Afinal todos eles juntos conjuram ser em nome dos "Céus" uma benção ter quantidades "incomensuráveis" de "riquezas" em detrimento de toda a destruição sofrimento e escravidão de bilhões de almas desinformadas e "desgraçadas"... :-))
    Tragédias a parte, tenho esperança que essas e tantas outras informações importantes cheguem às massas e ajude a formar novas opiniões e mudar paradigmas na direção do conforto e tecnologia com sustentabilidade.

    No mais é "Free Energy" na veia, "Ponto Zero" na cabeça e "vâmu que vâmu" :-))

    grande abraço!!!

    ps:desculpe a brincadeira dos "poderosos", não resisti!

    ResponderExcluir
  4. Valeu Schikão, e não tem do que pedir desculpas, mandou a real!

    ResponderExcluir

Seguir por Email

Seguidores